quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

PROJETO: "A QUEM ME DEGUSTA POR ME SORVER"

Proponente: manollo ferreira
Organização: Alex Moreira, Nadilson Costa, Manollo Ferreira.


De 01 a 05 de dezembro acontecerá na Escola Municipal Antônio Francisco de Oliveira – EMAFO, Goiabeira II, distrito da cidade de Juazeiro-BA, a realização do projeto “A Quem me Degusta Por me Sorver”, quando de 01 a 04/12 serão ministradas oficinas de ‘Poemas e Ilustrações’, pelos Profº: o poeta Manollo Ferreira e o artista plástico Alex Moreira. Além das oficinas, acontecerá uma palestra sobre Literatura de Cordel com o Profº cordelista Nadilson Costa, assim como a declamação de Poemas e Cordéis com o Poeta e também cordelista Demis Santana, que acontecerá no dia 05/12, culminância das oficinas. O referido projeto tem como finalidade o lançamento do livro que leva o mesmo nome, previsto para ser lançado em 06/02/2015, no Centro de Cultura João Gilberto, Juazeiro-BA. Este projeto é apoiado através da 2ª Chamada do edital Calendário das Artes 2014, da Fundação Cultural do Estado da Bahia (FUNCEB), entidade vinculada a Secretaria de Cultura do Estado (Secult-BA), somando ainda com as parcerias firmadas com: A Escola Municipal Antônio Francisco de Oliveira – EMAFO,  em nome da sua gestora Valdete Moreira, Prefeitura Municipal de Juazeiro por meio da Secretaria de Cultura e Juventude, Centro de Cultura João Gilberto e IRPAA e SEDUC.

Manollo Ferreira
Pedagogo, Professor, Especialista, Poeta, Escritor....
Juazeiro-BA

quinta-feira, 21 de agosto de 2014

Dia Do Folclore


Folclore ‘Brasiles’

No regionalismo das culturas
Costumes a se fecundar !
Nas histórias... Nos causos... Nas lendas...
Adivinhas... Ditos... Provérbios... Parlendas
Folclore e arte rendem-se a figurar...
Na mata, o curupira, a caipora, o saci a molecar;
No rio: a Iara, a mãe d’água, o nego d’água.
Carrancas a espantá-los
Nas noites de lua cheia, o lobisomem a amedrontar,
A Mula_sem_cabeça sem rumo a galopar...
Tribos em festa a festejar
Nas cantigas, aos batuques, acordes a dançar,
O bumba_meu_boi, a burrinha, o boi- tatá
O Cordel... O Repente... A Embolada...
O São Gonçalo, a marujada
O Maracatu, o samba e a Capoeira,
O frevo, o carimbo e o axé
O candomblé, o toré...
... Sincretismos a praticar.
À mesa artefatos artesanais
Comidas em prece, sabores típicos a degustar.
Na incomensurabilidade antropológica no ser do negro/branco/índio...
Misturas de um FOLCLORE BRASILES singular.

 Imagem: Google

manollo ferreira

terça-feira, 29 de julho de 2014

Em Tempos De Guerra



Terror !!!
~ Em Tempos De Guerra ~



Vazio é o ódio
Que corrompe a calma
Aliciando a fleuma
Que serena a alma.

Denso é o medo
Que suprime a dor
Fustigando em culpa
A intenção da força.

Nociva é a causa
Que revela em guerra
O ensandecer do ser
Configurando em morte.

Pretensiosa é a paz
Que burla o medo
Alimentando o ódio
Que elucida a dor.

Contraditória é a vitória
Que macula o credo
Decompondo em vida
O pecado em sangue.

Imagem: Google


manollo ferreira

O Poder De Um Abraço...!



Poema: Manollo Ferreira

Arte: Simone Lima


domingo, 27 de julho de 2014

Livros: Alimentai-vos...!


Alimentai-vos De Livros... !



Alimentai-vos de livros !
Anoréxicos do verbo
Alimentai-vos de livros !
Senhores e senhoras adventos da pútrida estupidez
Alimentai-vos de livros !
Míseros seres que orbitam a plenitude da esterilidade cultural
E como uma fera louca a vociferar sua fome bestial
Adentrem o cerne das suas entranhas
A saborear os seus fecundos e viscerais saberes
Alimentai-vos de livros !
Senhores e senhoras adventos da pútrida estupidez
Alimentai-vos de livros !
Míseros seres que orbitam a plenitude da esterilidade cultural
E por suas venosas linhas... Dentre linhas
No teor ilimitado de suas letras a sangrar
Sirvam-se das suas nuas palavras a salivar...
Vestidas à língua em festa a degustar
... Despidos pensares a sorver.
Alimentai-vos de livros !
Senhores e senhoras adventos da pútrida estupidez
Alimentai-vos de livros !
Míseros seres que orbitam a plenitude da esterilidade cultural
Alimentai-vos de livros... !
E de suas vírgulas, acentos, sinais e pontuações a fatia-lo em doces sabores.
Em compleição aos seus mais diversos e adversos paladares
Alimentai-vos de livros... !
Alimentai-vos de livros... !
E de suas Ideadas proposições a fartarem-se n’alma.

Imagem: Google

manollo ferreira


sábado, 19 de julho de 2014

20 de Julho - Dia Da Amizade !


Poema: Manollo Ferreira

Arte: Simone Lima

Salve ! Salve Juazeiro Da Bahia

Juazeiro !... A Cidade Que Não Vi... Vi E Vivi...!

Não vi Juazeiro enquanto ‘distrito atrelado à cidade de Sento Sé’,
Sua ‘emancipação’, nem tão pouco o achado da imagem de ‘Nossa Senhora das Grotas’, sua padroeira, acontecer...
Não vi a ‘construção da ponte’, nem quando a mesma suspendia para as embarcações por baixo dela passar...
Não vi os ‘vapores’ a ornar o rio, por abastecer o comércio a perfilar no ‘cais’, ou o ‘Saldanha Marinho’ um dia nas águas do Velho Chico navegar...
Não vi o deslumbre arquitetônico do antigo ‘Mercado Municipal’ e da antiga ‘Estação Ferroviária’ um dia em Juazeiro figurar, nem mesmo a ‘banca’ surgir para a cidade em duas partes dividir...
Não vi as ‘linhas férreas’ serem instaladas, nem ao menos vi o ‘trem’ no seu vai e vem, chegando ou partindo, trazendo e levando saudades,...
Não vi ‘Edésio Santos e João Gilberto’ juntos a cantarolar seus cantos, nem tão pouco vi os ‘carnavais e seus bailes de mascaras’ a fantasiar os festejos de uma época...
Mas vi e vivi ‘o carnaval das batucadas’, dos carros alegóricos e das caretas, trios e blocos, gente etiquetada com “abadá”, deixar de ser popular...
Vi e vivi os clubes ‘Apolo Juazeirense, 28 de Setembro, Artífices e Caçadores’ também o carnaval em festa festejar, e no amanhecer da quarta-feira de cinzas o ‘Bloco Carí do Batata’, envolto pelo sorriso largo do animado ‘Batata’ uma multidão alegremente arrastar...
Vi e vivi os lendários bares da ‘Primavera, Q Sabor, O Garoto e Labarca’ nos finais de semana Juazeiro brindar, e como presente presença, a carismática figura de ‘João Doido’, na sua peregrinação, uma calça a alguém pedir, sem com seu clássico pedido ninguém por isso se incomodar...
Vi e vivi a ‘banca’ já estabelecida dividir a cidade com suas rampas e pontilhões a lhe costurar, assim também como vi o belíssimo e aconchegante ‘Cine São Francisco’ às matinês de domingo animar...
Vi e vivi ‘Jason’ deixar seu nome vivo na história por muitas vidas do Velho Chico bravamente resgatar, assim também como vi o Saldanha Marinho já ‘Vaporzinho’ depois de aposentado passar a ser bar, pizzaria, ser mutilado e ser despejado do seu antigo lugar...
Vi e vivi os festivos eventos do ‘Chá das Cinco’ e seu criador ‘Nadinho’ na sua singularidade Juazeiro revolucionar, e “Mauriçola” com sua música ‘Erva Doce’ um tempo e uma geração simbolizar...
Vi e vivi a ‘feira antiga’ do bairro Santo Antônio, e no seu emaranhado de bancas e gente, um velho de enorme barba agrisalhada, chamado “Ciço”, casca de pau’ aos brados comercializar...
Vi e vivi a ‘Festa do Melão’ passar a ser ‘FENAGRI’ e a agricultura irrigada respaldada nas novas tecnologias Juazeiro transformar...
Vi e vivi uma Juazeiro que pra muita gente se fez eternizar...!
Não vi... Mas, Vi e vivi... Uma cidade de ontem e de hoje, de muitas memórias, personagens, fatos e histórias a se contar...


Imagem: Google

Emanoel Ferreira da Silva – “Manollo Ferreira”
Pedagogo – Especialista – Professor – Poeta – Escritor...


Piranga  / JUAZEIRO - BA. 

sábado, 14 de junho de 2014